sábado, 14 de março de 2015

Tanque Médio Nahuel DL 43 (Argentina)



Tanque Médio Nahuel DL 43 (Argentina) 


 O Nahuel nasceu como parte da resposta da Argentina à pressão dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial para que ela abandonasse  a posição de simpatia ao Eixo e se alinhasse ao bloco aliado e declarar guerra à Alemanha.

Naquela época, na América do Sul a Argentina foi o único que não tinha declarado hostilidades contra as potências do Eixo e permaneceu nesta posição neutra (com franca simpatia aos alemães), posição que não foi bem recebida pelos EUA, que declarou ela  como como Pró-Alemanha e decretou um embargo armas contra a Argentina, enquanto enviava  com  muitos suprimentos de guerra, fronteiriços como o Brasil, que apoiou a sua política, o envio de centenas de tanques Sherman, Lee e Stuart, aviões e navios, cria uma relação tensa na  fronteira e esperando com isso quebrar a vontade dos argentinos em não se alinhar. Apenas para efeito de comparação, o Brasil, do lado da coalizão dos aliados anti-Hitler tinha recebido cerca de 230 tanques.

Tal atitude, longe de obter que a Argentina baixasse a cabeça resultou em uma posição ainda mais fechado e  isolacionista da Argentina, e aumentou a possibilidade de um conflito real com os vizinhos, situação tensa promovida pelos Estados Unidos, tornou-se claro que, para se opor a tudo este envio de  material, o Exército argentino não estava preparado e tinha apenas uma dúzia de tanques leves Vickers e alguns carros blindados.

Dada a necessidade de adquirir armas modernas e incapacidade de adquirir no estrangeiro, o governo da Argentina decidiu desenvolver a indústria nacional de defesa e auto suficiente, produzindo diversas aeronaves na Fábrica Militar de Córdoba, e desenvolver o tanque Nahuel para o Exército.

A tarefa foi entregue ao então tenente-coronel  das forças armadas da Argentina Don Alfredo Akvilis Baisi, (foto baixo), que brilhantemente apenas dotado de gênio e iniciativa e o trabalho duro dos homens do Arsenal Esteban de Lucca, em um país que não tinha indústria pesada ou experiência anterior na fabricação de blindados, o tenente-coronel Don Alfredo Baisi era um engenheiro militar, que era então como diretor da fábrica militar Arsenal Esteban de Luca. O destino deste homem merece uma história separada. Ele nasceu em 1902 em Buenos Aires, em uma família de imigrantes da Itália e, depois de seu pai, optou por uma carreira militar, que foi sempre desenvolvida com muito sucesso.

Durante o serviço Alfredo Baisi, serviu como assistente de adido militar da Argentina, em Washington (EUA), foi o representante da Argentina, no Conselho Interamericano de Defesa, atuou como diretor da fábrica militar Arsenal Esteban de Luca e Primeiro Vice-Ministro da Indústria e Comércio da Argentina. Além disso, ele era um membro do grupo de oficiais, que em 1943 fez um golpe de Estado e depôs o presidente Ramon Castillo e levou ao poder os militares.

Além do tanque Nahuel, Baisi  também desenvolveu um veículo blindado de combate, armados com metralhadoras na base do tractor vila com o nome de «vinchuca» (procuro fotos do veículo de asalto de infanteria "Vinchucas" se alguém tiver me envie), bem como desenhou o uniforme e capacete campo dos tanquistas argentinos. 


 






















 


Em 1950, por causa de alguns atritos com o governo, Baisi pediu demissão de  todos os postos militares. Na aposentadoria, ele continuou a participar de pesquisas, artigos publicados em revistas científicas. Alfredo Baisi morreu em 1975 com a idade de 73 anos. 

Voltando ao Nahuel, Baisi a partir do zero, em apenas 45 dias conseguiu apresentar ao Ministro do Exercito, o modelo feito em madeira, ainda inacabado, do novo tanque (foto abaixo o modelo de madeira do Nahuel em tamanho real, usando o número 251).


Em apenas oito meses mais tarde, durante o desfile em 9 de julho de 1944(foto abaixo), dez Nahuel passaram na frente de um desfile militar em um desfile militar, surpreendendo  autoridades e adidos militares estrangeiros, deixando entusiasmado o público com o sucesso alcançado pela Argentina, que havia desenvolvido sob a forma Autônoma,  um tanque podia ser comparado com o mais moderno da época.


 

O desfile militar tradicional de  9 de julho de 1944 era a data  festiva em honra do Dia da Independência, que teve lugar na rua Avenida del Libertador em Buenos Aires. Liderando a coluna no veículo da frente foi chefiada Designer Nahuel o tenente-coronel Alfredo Baisi. Sempre em veículos de combate, muitas vezes ele participou do desfile dedicado ao Dia da Independência da Argentina, em particular, 09 de julho de 1945 e 09 de julho de 1948. 


O novo veículo de combate foi designado Nahuel DL 43. A palavra «Nahuel» na língua dos índios locais araucana, significa  'tigre'. Mais tarde para o título principal também foi adicionado «Nahuel Modelo Baisi 1943" em homenagem ao seu criador.

Na ausência de experiência de projeto próprio de tanques, foi decidido usar a experiência de colegas norte-americanos, de modo que o Nahuel traz a marca inconfundível de idéias de design norte-americanos e tem uma semelhança geral com tanques M4 Sherman.

Na verdade se pensarmos que  um dos pontos fracos do M4 Sherman era a sua blindagem frontal e a caixa de transmissão ser exposta, no Nahuel isto não acontecia pois a placa de blindagem frontal além de inclinada, o que já criava  uma melhor performance balística, e sua caixa de transmissão era na traseira e não ficava exposta a tiros frontais.

A concepção e desenvolvimento do veículo de combate foi rápido (não pode ser dito sobre a produção). O primeiro tanque foi lançado em dois meses. O primeiro do veículo de combate sob o número «C 252 foi mostrado em segredo ao  Presidente da Argentina  General Edelmiro Farrell, ao secretário da Marinha Alberto Teisare e ministro da Guerra Juan Perón (Foto Abaixo).
 

Na foto se observa que o primeiro tanque deixou a fábrica, sem nenhuma torre e a placa de blindagem da frente. 

A produção em série começou em 1943 nas fábricas Arsenal Esteban de Luca, em Buenos Aires, foram sub contratadas mais de 80 empresas militares e civis na Argentina.

Nas fábricas da Força Aérea (FMA - Fábrica Militar de Aviones), ia construir e fornecer a variante do motor aeronáutico de 12 cilindros em W (3 linhas de 4 cilindros) Lorraine-Dietrich. Fabricada sob licença, que tinha 500 HP, refrigerado a ar, que fazia o veículo alcançar a velocidade de até 40 quilômetros por hora.


Este motor era fabricado sob licença na década de 30, os argentinos instalaram em caças francêses Dewoitine D 21, também fabricados sob licença, e, em seguida, decidiu-se instalá-lo no novo tanque. O arrefecimento foi realizada através do radiador do motor, montado na traseira do tanque. O volume dos tanques de combustível era de 700 litros, o que permitia ao Nahuel um alcance de  250 km. 



O veículo tinha uma suspenção similar a VVSS (vertical-volute spring suspension) do shermam e uma transmissão hidráulica de 5 marchas.




E nos  estaleiros Ministério das Obras Públicas e nas fábricas do departamento militar de aço fundido, foi feita a  produção de chassis e rodas, ficando para as forjas dos depósito de locomotivas em Buenos Aires, a fundição das torres.

Nas empresas da indústrias Tamet, foram projetadas e feitas as caixa de câmbio, estas eram  instaladas em uma empresa de reparação de automóveis a "Pedro Merlini," e os equipamentos de comunicação eram colocados nos departamentos de comunicações do Exército.

 No entanto, devido à fraqueza da base industrial da Argentina e uma falta de peças de reposição, alguns dos quais foram feitas fora do país, em 1943-1944 conseguiu-se construir apenas 16 (segundo outras fontes) 12 unidades do tanque Nahuel. 



O casco foi feito por chapas soldadas de aço colocadas em diferentes ângulos. Segundo alguns relatos a blindagem para o tanque foi retirada de blindagens de navios antigos. Espessura destas blindagens  variou entre 25 e 80 mm.



 A maior placa de armadura frontal blindado do tanque tinha uma uma espessura de 80 mm, ajusta-se a um ângulo de inclinação de 65 °. o que lhe dava um ótimo perfil balistico. Para comparação, a espessura da armadura frontal americana do Sherman M4A1 foi de apenas 51 mm.

A blindagem do ângulo inferior da armadura da frente tinha uma espessura de 50 mm, e também eram colocadas a um ângulo idêntico.

E as laterais também tinham uma espessura de 55 mm, e o fundo do tanque tinha 20 mm de armadura. 



A torre foi fundida em fundida em aço cromo-níquel e na sua parte frontal tinha uma espessura de 80 mm, 65 milímetros na lateral, traseira 50 mm, 25 mm no teto (de acordo com outras fontes de 20 milímetros). Os lados da torre abrigava duas vigias fechadas por grosso de vidro à prova de balas. Sendo que esta  era girada por um motor auxiliar especial que gira a torre em 360 ​​°.



O Nahuel estava inicialmente armado com um canhão de  75 milímetros Krupp L / 30 Modelo 1909 (foto abaixo), canhão que na época estava em serviço com o exército argentino e projetado antes do início da Primeira Guerra Mundial. Ele tinha um alcance máximo de 7700 m de tiro, a velocidade inicial de da munição de alto poder explosivo era de 510 m / s, a velocidade inicial do projétil perfurante de blindagem era de 500 m / s, e a cadência de tiro era de cerca de 20 tiros por minuto. 


Mas a  partir de 1947 os veiculos  foram repotenciados e foi substituido o canhão Krupp pelo canhão Bofors L40 Modelo 1935 de 75mm. Que tinha maior velocidade inicial de disparo (400 a 625 metros/segundo.) e capacidade antitanque, além de maior alcance, que ficava entre 9,3 até 12.2 quilômetros de eficácia.

Outras opções de canhão foram cogitadas a serem usadas pelos argentinos, respectivamente  eram.

 Versões Anti- carro

Krupp 75 mm L.13 mod. 1896
Krupp 75 mm L.13 mod. 1898

Versões Auto Propulsadas

Obus de campanha Krupp 130mm L.26 mod. 1902
Obus de
campanha Krupp150mm L.14 mod. 1911
Canhão de montanha Schneider 75 mm L.18 mod. 1928
Artillería A.A. Skoda 76,5 mm L.50 mod. 1928
Canhão de montanha Schneider 105 mm L.12,4 mod. 1928
Obús de campanha 105 mm L.18,6 mod. 1928
Canhão pesado de montanha Schneider 105mm L.30,8 mod. 1928
Canhãode campanha Schneider 155 mm L.15 mod. 1928
Canhãode montanha Schneider 155mm L.30,87 mod. 1928
Morteiro Schneider 220mm L.10,8 mod. 1928

Versões Anti- aéreas
Oerlikon 20 mm L.70 mod. 1938
Canhão A.A. Bofors de 40mm L.60 mod. 1938
 
Versões Canhão Obus Leve 
Canhão de infantería DGFM "Matorras" 75 mm L.13 mod. 1945

O carro produzido levava 80 projéteis. Que eram colocados num recipiente suporte dentro do casco e perto da torre.

No Nahuel as armas adicionais eram metralhadora. Browning M2  um 12,7 milímetros,  instalado na torre em uma seteira em forma de bola (tinha 500 cartuchos de munição) ao lado esquerdo do canhão. 

Ele ainda tinha duas metralhadoras  Madsen 1926 de 7,62 milímetros, montadas no casco da frente (uma móvel modelo de infantaria na esquerda e duas fixas no centro, estas eram do modelo de origem aeronáutica, instaladas em caças).



 Em diferentes veículos a quantidade destas armas pode ser diferente de uma a três unidades, estas armas levavam 3100 cartuchos de munições. 

Mandsen fixas 


Mandsen Móvel


Ele era equipado com rádio e comunicador interno da empresa alemã Telefunken. 

Nas escotilhas dianteiras, haviam alojados  dispositivos de visão. no teto da torre era montado um visor periscópio rotativo do comandante com um aumento de três vezes. A torre também tinha instalado um exaustor - ventilador para a remoção de gases do disparo.



A Tripulação do Nahuel e consistia de cinco pessoas: o comandante, motorista, metralhador, carregador e rádio operador-artilheiro. O motorista e o metralhador foram colocados na frente e atrás deles no compartimento de combate eram o comandante, rádio operador-artilheiro e carregador. De acordo com alguns relatos, após a atualização e remoção de dois das três metralhadoras montado na parte frontal do chassis, a tripulação foi reduzida para 4 pessoas.

 Historico de serviço do Nahuel não estava envolvido na luta que estava ocorrendo no mundo em 1944, mas ele estava destinado a tornar-se um símbolo do desenvolvimento industrial na Argentina. 

Desde a criação, ele participou de desfiles e feriados, demonstrando o poder de combate das Forças Armadas argentinas. Pela primeira vez, os dois primeiros veiculos   os de números ("S73" e "C74") foram revelados a 4 de junho de 1944 ao público  na Exposição das realizações da indústria argentina. 

 Os tanques foram pintados na cor verde-oliva-marrom ( um olive drab mais esverdeado), e do lado da torre foi aplicado o emblema tipo redondo igual aos dos aviões nacionais, nas cores azuis e brancas da bandeira argentino, na frente  foi a inscrição DL43, e ao lado pintado um tigre pulando. 

Deve também ser notado que a máquina, apesar do seu bom desempenho, não eram muito confiáveis. Portanto, em 1947, por iniciativa do director das forças mecanizadas, Epifanio Sosa, Jose Maria Molina, o Nahuel sofreu uma modernização parcial. O   Krupp 75-mm mod. 1909 foi substituído por um mais potente de 75 mm Bofors 75/34 M1935.

 Foi dada uma nova estação de rádio MK19, escotilhas foram melhoradas, e novos dispositivos de visão para o motorista, a remoção de 2 de 3 metralhadoras, localizadas no casco da frente, o que reduziu a tripulação para 4 pessoas. Também na parte da metralhadora coaxial de 12,7 mm metralhadora Browning, localizado na torre foi substituída por uma Madsen de 7,62 milímetros, que aumentou a sua capacidade operacional.


As características de desempenho do Nahuel

O peso de combate de 35 toneladas (de acordo com outras fontes, 36,1 toneladas)
Comprimento: 6.223 metros
Largura: 2.330 m
Altura: 2.952 m
Largura de lagarta: 0,44 m
Armamento: 75 mm arma Krupp mod. 1909 (após a modernização do 75-mm Bofors 75/34 M1935); 12,7 mm de metralhadora Browning M2; 1-3 7,62 milímetros metralhadora Madsen mod. 1926
Munições: 80 tiros para o principal, 500 cartuchos de
metralhadora 12,7 milímetros , 3.100 cartuchos de 7,62 milímetros para 3 armas frontais. 
Angulo máximo de subida: 30 °
Velocidade máxima: 40 kmh
Alcance: 250 km
Tripulação: 5 pessoas

Após o fim da II Guerra Mundial e com o levantamento do embargo ao fornecimento de equipamento militar, a necessidade de a produção de seu próprio tanque mas não mais era necessário e o  programa foi extinto. Isso foi facilitado pelo fato de que os países ocidentais vitoriosos na guerra ativamente vendiam e de forma barata   veículos blindados excedentes, e, em troca estavam prontos para levar como pagamento os produtos argentinos, até mesmo agrícolas, em suma, ia trigo e carne e vinha Shermans de segunda mão aos montes.

Uma Encomenda inicial de 30 veiculos foi feita, mas somente 26 foram feitos, sendo 10 construidos na série  de pré produção - depois destes nenhuma outra encomenda foi feita. 

Os tanques Nahuel DL43 foram retirados de serviço, colocados na reserva e substituídos por tanques Sherman em 1948. No entanto, depois que por um tempo que eles estavam nos arsenais, começaram a ser usados como alvo para a prática de tiro.

Segundo alguns relatos, dois veículos foram doados para o Paraguai, em 1953, durante uma visita à Argentina que o presidente Juan Peron. O  último Nahuel DL 43 foi desmantelado em 1962, e nenhum único tanque deste  modelo, foi preservada para os dias de hoje. 
Abaixo em foto de 1960 vários tanques Nahuel e Shermans desmantelados.

  
FONTES DE INFORMAÇÃO DESTACADAS: 

Ricardo Jorge Sigal Fogliani: “Nahuel DL 43. Tanques Argentinos”. Editorial Dunken. 2004. ISBN 987-02-0788-X.

Ricardo Jorge Sigal Fogliani: “Blindados Argentinos. De Uruguay y Paraguay”. Editorial Ayer y Hoy Ediciones. 1997. ISBN 987-95832-7-2.

2 comentários:

  1. Excelente, João...Ótima revisão histórica...Conserta a abreviação da suspensão, no segundo paragrafo depois da foto do motor: Vc citou o modelo correto (vertical-volute spring suspension) mas digitou HVVS. Conserta para VVSS. Teu artigo merece: uma jóia !!!

    ResponderExcluir